RIO TAPAJÓS

quinta-feira, 22 de junho de 2017

PENINHA PEDE SUSPENSÃO DE LICENÇA AMBIENTAL DA EQUADOR



O vereador Peninha usou a tribuna na manhã desta quarta feira, dia 21, para denunciar a construção do terminal petrolífero da EQUADOR  que está sendo construído em Miritituba. Segundo o edil, o terminal está sendo construído em uma área de risco. Primeiro, em uma área de ribanceira, bem na margem do canal do Rio Tapajós. Segundo, este canal, no verão se torna inefável, pois se torna praia, com os moradores andando a pé sobre a areia.

O vereador revelou que tomou conhecimento que a empresa vai realizar serviços de aprofundamento do canal para que tanto no inverno como no verão as balsas possam entrar ali com combustível. Porém, indagou Peninha, “quais as consequências que haverá nesta retirada de areia do fundo do rio” ?.
O vereador está surpreso com a SEMAS do Estado em ter liberada a licença para a implantação deste terminal naquele local. O edil lembrou que  os moradores de Miritituba já denunciaram a Câmara a preocupação com aquele terminal. O Primeiro, com os impactos ambientais e também com os caminhões tanques que vão trafegar dentro da comunidade para carregarem de combustível naquele terminal.
Outra reclamação do vereador, é com relação a apresentação do projeto da construção deste terminal. O edil afirma que não foi realizada nenhuma audiência para discutir sua implantação, assim como também poucas autoridades do município sabem deste projeto.

Peninha disse que o Estado precisa ter mais respeito com o município, pois quem vai sofrer com as consequências deste projeto é a comunidade então o Governo deveria se reunir com as autoridades e a comunidade para discutir este projeto, antes de autorizar. A comunidade não ganhou e não vai ganhar nada, somente problemas, destacou Peninha.
O vereador Peninha apresentou requerimento pedindo a SEMAS do Estado para suspender as licenças de construção do terminal da EQUADOR em Miritituba, até que seja apresentado o projeto e discutido com a comunidade. Também pediu para que o COEMA - Conselho Estadual de Meio Ambiente interfira neste sentido. Pediu ainda que o Ministério Publico possa entrar na discussão deste projeto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário