RIO TAPAJÓS

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

BUBURÉ, UMA COOPERATIVA QUE NEM OS ASSOCIADOS SABEM O SEU TAMANHO



A Cooperativa Buburé, criada por itaitubenses, cresceu de certa maneira que nem seus associados sabem o tamanho. Começou com D-20, fazendo linha principalmente para os garimpos, onde não entrava ônibus. Ao passar do tempo, seus associados compraram micro ônibus e com isso a cooperativa Buburé, que servia apenas com D-20, passou a operar com micro ônibus e não apenas servindo os garimpos, mas interligando as cidades, como Jacareacanga, Trairão, Novo Progresso, Ruropolis, Altamira, Marabá e Santarém. Cresceu tanto, que hoje a Cooperativa Buburé, transporta 70% dos passageiros que usam o transporte rodoviário na região. Os outros 30% são transportados pelas outras empresas (Ouro e Prata, Quaresma e Transbrasiliana). 

Mas, a Cooperativa Buburé cresceu aumentando e melhorando sua frota de veículos, porém precisa melhorar na assistência aos seus clientes (ususários) Por exemplo, um carro quebra na estrada, os passageiros são obrigados a dormirem ali, até que outro veiculo da entidade passe. Isto, significa que o passageiro vão ficar na estrada até o outro carro da linha passar. Exemplo prático: Na segunda feira, dia 20, um dos micro ônibus que tinha saído de Jacareacanga às 13:00 horas quebrou na estrada. Os passageiros foram obrigados a dormirem no mato e somente na terça feira, dia 21 por volta das 13:00 horas foram socorridos, chegando a Itaituba por volta das 18:30 horas. O pior é que o micro ônibus trouxe apenas os passageiros. A bagagem e as encomendas ficaram no carro quebrado. Teve passageiro, que veio de Jacareacanga para viajar para Belém e não pode viajar, por causa da bagagem, mesmo com passagem marcado de avião para o dia 21. Esta não é a primeira vez que isto acontece. Já é rotina na Cooperativa as reclamações. 
Outro dia, um micro ônibus saiu de Itaituba às 13:00 com destino a Jacareacanga e quebrou na estrada. Os passageiros ficaram no mato até 5 horas da manhã, quando chegou o socorro. O grande problema é que os veículos são de propriedade dos associados e muitas vezes, não há afinidade entre eles e quando quebra um carro de um que o outro não gosta não tá nem ai. Mas, isto deveria ser obrigação de todos, independente de ser amigo ou não. O que está em jogo é uma cooperativa que foi criada com o objetivo de servir e servir bem. Então precisa sua diretoria fazer alguma coisa para melhor atender seus usuários. Deveria a entidade ter um veiculo de plantão para socorrer na estrada os carros que quebram e rádio comunicação para que no caso de qualquer acidente comunicasse com a central da cooperativa. Seus diretores, seus associados precisam saber o TAMANHO, HOJE, DA COOPERATIVA BUBURÉ.

Um comentário:

  1. Na verdade o que falta para a Cooperativa é uma política de gestão, cada associado (motorista) faz o que dá na sua cabeça. Outro exemplo é que enquanto existem ótimos motoristas com ônibus limpos, outros são mal educados e agem como se estivessem fazendo um favor a quem paga pelo serviço.

    ResponderExcluir