RIO TAPAJÓS

quinta-feira, 16 de maio de 2013

A SAÚDE DE ITAITUBA ESTÁ DE MAL À PIOR

Não faz sete dias que faleceu no Hospital Municipal de Itaituba uma mulher e seu filho após o parto, segundo seus familiares a mesma deu entrada para pari e sem nenhuma explicação justificável o que o Município entregou para família dois defuntos (mãe e filho), não faz um mês que essa mesma cena aconteceu no mesmo hospital. Em pleno século XXI, o que não admite o Ministério da Saúde, em Itaituba vem sendo rotina, mulheres morrendo de parto. Há alguns meses uma criança depois da perfuração do estomago foi encaminhada para Santarém, aonde veio a falecer.
Muitas reclamações sobre as condições no atendimento no Hospital Municipal de Itaituba tem chegado a este blog, inclusive algumas estamos investigando.
Hoje, a reclamação que chegou a este Blog foi com referencia a exames  de ultrasson,  a senhora A. V. da Silva, nos procurou para denunciar que desde as 5:30 horas de hoje, estava no Hospital Municipal para realizar tal exame e que apenas as 8:00 horas a mesma foi despachada, juntamente com varias outras pessoas, que foram informadas que o equipamento que faz o exame estava com defeito.
Será que este problema no aparelho de ultrasson vai acontecer igual ao aparelho de RX que há meses está parado e o HOSPITAL SANTO ANTONIO realizando e ganhando dinheiro do Município que poderia está sendo utilizado para outros fins ?
O caos na saúde vem cada dia que passa aumentando no município de Itaituba. Nos  primeiros quatro meses de administração, a prefeita Eliene Nunes já recebeu  para aplicar na saúde R$ 7.094.772,46. Mesmo tendo recebido todo este dinheiro a saúde de Itaituba é um caso de calamidade pública. Nos postos de saúde, tanto da cidade como do interior do Município faltam medicamentos, no interior além da falta de remédios faltam enfermeiros, contando apenas com técnicos em enfermagem. Cadê os ESPECIALISTAS? Quando o laboratório vai voltar a funcionar com todos os exames de rotina?
Em Miritituba, segundo denuncias, no  centro de saúde não tem se quer material para fazer curativos, falta do gaze ao esparadrapo. Os pacientes que precisam de um simples curativo são obrigados a deslocar-se da Vila de Miritituba até o Hospital Municipal para receber tal atendimento.
Na sala de emergência do Hospital Municipal é reduzido o números de servidores para atender tanta demanda, sobrecarregando o enfermeiro e os poucos técnicos que ali atendem, isso é mais uma demonstração da falta de compromisso tanto da prefeita como da secretária com seus profissionais e com os munícipes de Itaituba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário