RIO TAPAJÓS

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

EMPRESAS ESTRAGEIRAS PODEM DEIXAR DE INVESTIR NO TAPAJÓS.



Varias empresas estrangeiras, principalmente canadenses, estão ameaçando deixar de investir em pesquisa mineral no Vale do Tapajós, por causa da suspensão pelo Governo Federal da expedição de Alvará de Pesquisa e também de PLG- Permissão de Lavra Garimpeira.
A previsão é de que as JP-Juniores Companies, companhias de pequenos porte, especializadas em exploração de minérios em minas de baixa produtividade podem investir no Estado do Pará, somente na fase de sondagem, mais de US$ 100 milhões, com possibilidade de gerar mais de 6 mil empregos  diretos e indiretos.
Se isto acontecer, anualmente poderiam ser produzidos de 30 a 60 toneladas de minério, na sua maior parte ouro.
Somente no ano passado, 2012, o Estado do Pará conseguiu exportar mais de US$ 10 bilhões em minérios para o exterior. O Pará, ficou em exportação de minério, apenas atrás do Estado de Minas Gerais, que exportou em torno de US$ 16 bilhões.
A suspensão, sem amparo legal, da expedição de Alvará de Pesquisa no Brasil foi determinada pela Presidente da República, Dilma Rousseff em decorrência de ainda não ter sido votado pelo Congresso Nacional o Marco Regulatório da Mineração Brasileira.
Outra suspensão, esta determinada pelo Ministério das Minas e Energia, é com relação à expedição de PLG – Permissão de Lavra Garimpeira em  áreas nas proximidades  do Rio Tapajós.
A medida foi tomada, segundo o Diretor Geral do DNPM, Sérgio Damasso, devido à construção do complexo hidrelétrico do Tapajós.
O governo teme, que garimpeiros que possuírem a PLG nas mediações das barragens ao serem atingidos vão querer pedir na justiça indenização.

Nenhum comentário:

Postar um comentário